[DESCRIÇÃO GALERIA] O que era sonho de consumo de seus pais e avós

Matéria anterior Próxima matéria

SLIDE 1 – 1970: Jovem Guarda

Foi no início da década de 1970 que os Beatles, considerada a primeira boyband da história, chegaram ao fim. O grupo marcou a indústria por ser o primeiro a, em proporções globais, influenciar os jovens. No Brasil, o iê-iê-iê dos anos 1960 ainda repercutia. Cantores pop como Roberto Carlos, Wanderléa e os Golden Boys participavam de festivais como os da TV Record. Arrebatavam multidões. Não havia, no entanto, poder de consumo: 1970 é a “década do milagre brasileiro” na economia. O País cresceu às custas do achatamento de salários e das liberdades individuais, sob o comando do regime ditatorial implantado 1964.

Descrição da imagem: em anúncio de jornal em preto e branco das lojas Clipper, o jovem cantor Roberto Carlos veste uma calça estreita, um paletó xadrez e sapatos de bico fino. Ao seu lado, em desenho, um jovem veste terno preto.

Slide 2 – 1971: Chevrolet Opala

Foi a partir de 1971 que a versão standard do Opala — carro lançado em 1968 — passou a se chamar Especial. Era o mais em conta. Tinha acabamento simples e motor de quatro cilindros 2500. A versão Luxo do carro era para poucos.

Descrição da imagem: um Chevrolet Opala na cor bege estacionado na rua.

Slide 3 – 1972: Tênis Conga

Lançado em 1959 pela Alpargatas, o Conga era o tipo de desejo de consumo acessível. Um caso raro, aliás. Simples e com cores variadas, entre os anos de 1970 e 1980 esse calçado foi adotado até por escolas como parte do uniforme.

Descrição da imagem: uma jovem usa um par de tênis Conga nas cores verde e branco.

Slide 4 – 1973: 3 em 1

Ouvir rádio, discos e fitas cassete no mesmo aparelho era um luxo só. Sabe o que virou moda absoluta? Gravar músicas do rádio ou dos discos diretamente para as fitas. Era uma compra para a família inteira, mas definitivamente um sonho de consumo para qualquer jovem. No Brasil, destaque para a marca National.

Descrição da imagem: foto da banda Led Zeppelin em frente ao seu avião. Da esquerda para a direita: o baixista John Paul Jones, o baterista John Bonham, o guitarrista Jimmy Page e o vocalista Robert Plant.

Slide 5 – 1974: Discoteca

O filme que virou sinônimo da época, Embalos de Sábado à Noite, só foi lançado em 1978, mas os espaços para dançar Disco já vinham surgindo em cidades como São Paulo desde o início da década. Quem passava pela Rua Augusta e arredores podia ser tragado pelo ritmo de boates como Hippopotamus, Banana Power e Papagaio Disco Club. Era o mais próximo da balada como a conhecemos. Só que com muita roupa sintética, sandálias de salto com meia soquete e cabelões malucos.

Descrição da imagem: cena do filme “Embalos de Sábado à Noite” onde John Travolta dança em pista de discoteca com luzes vermelhas, amarelas e azuis

Slide 5 – 1975: Calça Boca de Sino

Festivais recebiam músicos como Janis Joplin, que exibia seu visual hippie — roupas largas, blusas de crochê e calças boca de sino. Quer saber onde mais você poderia ver esses figurinos? Pela TV, todas as noites, em novelas como Selva de Pedra (1973), Pecado Capital (1975), e Dancin’ Days (1978).

Descrição da imagem: cena em preto-e-branco da novela Pecado Capital (1975), onde a personagem de Betty Faria veste calça boca de sino e beija o personagem de Francisco Cuoco.

Slide 6 – 1979: Walkman

O walkman, da Sony, chegou ao mercado em 1979, mas se consolidou como desejo de consumo nos anos 1980. Até então, quem era adolescente tinha de ouvir seus discos no quarto ou, azar dos azares, na sala, sendo interrompido pela frase “Isso lá é música, menino?”. O aparelho era o símbolo da individualidade e da mobilidade, graças ao fone de ouvido e ao clipe para prender o walkman no bolso da calça. Mas era para poucos.

Descrição da imagem: aparelho walkman nas cores azul e prateado.

Slide 7 – Anos 80: Dívida externa e Era Disco

Em 1980, já se ensaiava uma reabertura democrática, mas com altos índices de endividamento externo, inflação alta e estagnação econômica. São dessa época tentativas de reforma monetária e planos econômicos frustrados, como o Plano Cruzado, Plano Bresser e Plano Verão. Apesar do cenário econômico pouco favorável ao consumo, o que a gangue queria era se acabar de dançar nas pistas ao som da Dance Music.

Descrição da imagem: capa do Estado de São Paulo de 26 de novembro de 1986, com destaque para a manchete “Governo muda conta da inflação outra vez”.

Slide 8 – 1983: Ford Escort

Com cores vibrantes (que tal amarelo-ovo?) e diversas versões para o motorista escolher, o Ford Escort foi uma novidade para a época. Tinha modelo básico, L, GL, Ghia… Mas todos queriam mesmo o XR3, o mais esportivo e bacana dos Escorts. Só superado pela versão conversível, de 1985. Um outro sucesso da época foi o Monza, mas que era desejo de um público mais velho.

Descrição da imagem: um Ford Escort conversível, nas cores azul-metálico e preto, com o teto aberto, estacionado na rua.

Slide 9 – 1984: Atari 2600

Quem viveu a infância ou adolescência entre 1984 e 1986 se não teve o videogame, quis muito ou usava o do amigo. “Cult” total. Hoje, é difícil encontrar algum fã de tecnologia (nerd ou não) que não se lembre com nostalgia do Atari 2600, que na época do lançamento foi fenômeno de vendas nos EUA e no Brasil.

Descrição da imagem: um Atari 2600 com dois joysticks ligado a uma TV onde se vê o jogo Pac Man, sobre um fundo amarelo e verde.

Slide 10 – 1985: Ombreiras

Ver um filme ou novela dos anos 1980 era invariavelmente dar de cara com ombreiras. Usadas assim, no dia a dia, como se não fosse esquisito demais andar com aquelas almofadas dentro da blusa ou da jaqueta. A opção de realçar os ombros tinha um componente social: na época, as executivas estavam abrindo espaço no mercado de trabalho, disputando cargos antes só ocupados pelos homens e por seus paletós.

Descrição da Imagem: cena em preto-e-branco da novela “Elas por Elas” (1982), onde Christiane Torloni veste um vestido com ombreiras.

Slide 11 – 1988: Roupas Coloridas

Conhecida pelas peças de malha, com tons vibrantes, a Pakalolo virou febre entre adolescentes durante o fim dos anos anos 1980 e início dos anos 1990.

Descrição da imagem: anúncio de roupas da marca Pakalolo na Revista Capricho, onde um casal de adolescentes veste roupas de cores destacantes e carrega uma mochila rosa e roxa

Slide 12 – 1989: Master System

Onipresente em comerciais de revistas e de TV, o Master System era difícil de resistir. Além do marketing, havia o apelo das versões exclusivas de jogos como Chapolim, Pica-Pau e Ayrton Senna. No Brasil, o videogame era importado pela brasileira Tectoy, que anos 1990 teria outro sucesso de vendas: o Mega Drive.

Descrição da imagem: videogame Master System e dois controles na cor azul, com arte do personagem Sonic no aparelho

Slide 13 – 1990: A era do videoclipe

A democracia havia sido restaurada, mas o País estava mergulhado em instabilidade política e econômica no início da década: mais mudança de moeda, confisco de poupança, denúncias de corrupção. Setores da sociedade pediam o impeachment de Fernando Collor de Mello e os jovens “caras-pintadas” tomaram as ruas. O presidente renunciou antes do fim do processo de impeachment, em 1992. Itamar Franco assumiu o Planalto e dois anos depois implementou o Plano Real, pondo fim à crise hiperinflacionária. Ainda na economia, o País se abriu para a concorrência externa. Fora das ruas, os jovens continuavam conectados pela MTV, que levava a todos a cultura pop americana e a moda dos videoclipes.

Descrição da imagem: página do caderno 2 do Estado de São Paulo no dia 20 de outubro de 1990, com destaque para a manchete “A MTV começa sua cantada no brasileiro jovem” e foto em preto-e-branco do cantor David Bowie durante show

Slide 14 – 1991: Camisa Xadrez

O ícone grunge Kurt Cobain foi uma das principais influências para um novo estilo de vida dos jovens. Numa cidade como São Paulo, era difícil não encontrar alguém na faixa dos 16 anos que não se vestisse com calças destroyed e malhas de lã oversized. Era uma quebra da estética plástica e exagerada dos artistas pop dos anos 1980.

Imagem: foto em preto-e-branco do cantor Kurt Cobain, do Nirvana, usando camisa xadrez durante show

Slide 15 – 1992: All Star

Também por influência do grunge, todo jovem dos anos 1990 queria ter seu próprio All-Star preto. Músicos como o guitarrista da banda Rage Against the Machine, Tom Morello, e Slash, do Guns N’ Roses, eram outros artistas que estavam constantemente na mídia e despertavam o gosto das pessoas pelo par de tênis.

Descrição da imagem: um par de tênis All Star de cano alto nas cores azul marinho e branco, dentro de uma caixa de papelão amarela

Slide 16 – 1993: Mega Drive e Super Nintendo

Tanto o Mega Drive, lançado em 1990, quanto o Super Nintendo, de 1993, foram bem populares. Quem gostava de Sonic, The Hedgehog, preferia o primeiro. Enquanto os fãs de Super Mario World optavam pelo segundo.

Descrição da imagem: videogame Mega Drive e controle nas cores preto e vermelho sobre uma mesa de madeira clara.

Slide 17 – 1995: Gol GTI

Esta versão esportiva do Gol foi o primeiro modelo produzido no País a ter injeção eletrônica. E também um dos pioneiros a trazer um computador de bordo – bastante simples, que mostrava tempo de viagem, temperatura externa, distância percorrida, consumo médio, velocidade média e autonomia. Isso era top para a época, acreditem.

Descrição da imagem: anúncio da Volkswagen de um Gol GTI 16V na cor vermelha, estacionado em frente a uma casa com fachada de tijolos

Slide 18 – 2000: Mais Consumo

Depois de oito anos de Fernando Henrique Cardoso (PSDB) na presidência, Luiz Inácio Lula da Silva (PT) dá continuidade às políticas de assistência à população mais carente e amplia o poder de consumo do brasileiro. A classe “C” sofre uma expansão — nesse bolo, os jovens passam a ter crédito e conseguem ampliar os anos de estudo. No mundo da tecnologia, era o auge da “www”: todas as marcas corriam para a web.

Descrição da imagem: página de Economia do Estado de São Paulo no dia 9 de março de 2008, com destaque para as manchetes “Comportamento da geração digital desafia empresas” e “Um exemplo de universalização do celular”

Slide 19 – 2001: Nike Shox

Com amortecimento em molas de aço — o que, em tese, melhoraria o desempenho na corrida -, o tênis virou símbolo de status e identificação para adolescentes e jovens adultos.

Descrição da imagem: um tênis Nike Shox na cor branca com sola verde-água e amortecedores na cor azul escuro

Slide 20 – 2001: iPod

Com o slogan “1000 músicas no seu bolso”, o primeiro iPod tinha o tamanho aproximado de uma caixa de baralho e memória de 5 GB, 80 vezes maior que os 64 MB da maioria dos players portáteis da época. Servia também como HD portátil e chegou ao Brasil custando R$ 1.690, cerca de R$ 4.700 em valores atuais. A limitação era se conectar ao PC via Firewire, entrada presente nos computadores Apple da época, mas pouco utilizada pelo Windows.

Descrição da imagem: o empresário Steve Jobs, então presidente da Apple, apresenta um slide do novo iPod durante evento de tecnologia

Slide 21 – 2002: PlayStation 2

O desejo por ter um PlayStation 2 veio na esteira do PSOne. Os jogos da primeira versão do videogame eram compatíveis com o segundo console. Então, quem havia comprado os games para o primeiro, não perdia dinheiro ao adquirir o segundo. Já a outra vantagem não era lá, digamos, legal. Muitos jovens descobriram que o PlayStation aceitava jogos pirateados, que custavam 10% do valor de um original. Esse foi um dos fatores que tornaram as duas primeiras versões do console bastante populares no Brasil, segundo especialistas.

Descrição da imagem: um videogame PlayStation 2 na cor preta, com controle e os dizeres “PS2” em azul sobre o aparelho

Slide 22 – 2002: Golf

Este, sim, chegou chegando. A quarta geração do cobiçado Golf, da Volkswagen, foi lançada em 2002 e rapidamente virou sonho de consumo. Os repetidores do pisca laterais eram transparentes e o motor 1.6 passou a ser o 1.6 EA111, com acelerador eletrônico.

Descrição da imagem: anúncio da Volkswagen de um Golf na cor vermelha

Slide 23 – 2005: Xbox 360

O novo desejo dos gamers era agora um Xbox 360. O aparelho permitia jogar online com qualidade superior à do Playstation 2 e tinha jogos exclusivos: Halo 3, Gears of War e Forza Motorsport 2, 3 e 4 (que tal?). O Playstation contra-atacou, lançando sua versão 3 no ano seguinte.

Descrição da imagem: videogame Xbox 360 e controle na cor branca

Slide 24 – 2006: BlackBerry

Primeiro smartphone disponível para pessoas físicas no Brasil, o BlackBerry 8700g era uma máquina. Com ele dava para navegar na web, mandar e-mail, SMS. O aparelho pesava apenas 134 gramas – era mais leve que celulares atuais – e tinha um teclado QWERTY (usado em PCs). O modelo foi também pioneiro no sistema Push de notificações, o mesmo utilizado pelos celulares até hoje.

Descrição da imagem: close no teclado de um aparelho BlackBerry na cor branca

Slide 25 – 2008: iPhone 3G

O 3G foi o segundo modelo de iPhone lançado pela Apple, mas o primeiro a ser vendido oficialmente no Brasil. Antes disso, era preciso comprar o celular nos EUA e enfrentar uma odisseia para desbloqueá-lo por aqui. O novo iPhone manteve a navegação touchscreen de seu antecessor e incorporou funções como navegação 3G e GPS, além de introduzir a loja App Store. Só tinha um problema: a cobertura da rede 3G era limitadíssima no Brasil. Mesmo assim, o aparelho fez sucesso.

Descrição da imagem: ao fundo, uma jovem japonesa de cabelos pretos em desfoque olha para a frente; em primeiro plano, um aparelho iPhone na cor prateada com a câmera apontada para o leitor e a logomarca da Apple

Slide 26 – 2010: Redes Sociais

Do início da década até 2016, o Brasil saiu do boom econômico para uma de suas piores recessões. Foi no cenário de prosperidade que os jovens começaram a entrar no mercado de luxo consumindo — ou desejando — itens de streetwear. A partir de 2010, também aconteceu a popularização dos smartphones, as redes sociais ganharam maior importância e se tornaram umas das principais formas usadas pelas marcas para atingir os jovens.

Descrição da imagem: página da coluna Aliás do Estado de São Paulo de 31 de janeiro de 2016, com destaque da manchete “My Channel” em reportagem especial sobre youtubers

Slide 27 – 2012: Tênis Adidas Stan Smith

Se é para falar em revival, o modelo Stan Smith, sucesso de vendas nos anos 1980, é imbatível. Nascido para enfrentar as quadras de tênis, o calçado passou a frequentar shopping centers, baladas e afins. Tanto na tradicional cor branca quanto nas versões coloridas.

Descrição da imagem: pessoa calçando um tênis Adidas Stan Smith na cor branca e usando meia cinza, pisando sobre um deck de madeira

Slide 28 – 2016: Peças da Gucci

Desde que o estilista Alessandro Michele assumiu a Gucci, a tradicional marca italiana adotou uma identidade mais cool, com forte pegada de street wear, caindo de vez no gosto da galera mais descolada, mas que não abre mão de exclusividade.

Descrição da imagem: mulher de cabelos pretos e casaco marrom olha prateleiras de loja com bolsas da Gucci nas cores violeta, bege, verde-água, vermelho e azul-escuro.

Slide 29 – 2018: Vestido Bandage

Colado ao corpo como uma atadura, o vestido bandage foi sucesso absoluto nos anos 1990, vestindo Cindy Crawford e outras supermodelos em tapetes vermelhos mundo afora. O estilo sexy criado pelo francês Hervé Léger Leroux ressurgiu agora também na versão saia ou blusa, acompanhado ou não de peças mais larguinhas.

Descrição da imagem: foto de vestido longo e sem mangas da Bandage na cor verde-escuro