Casal Evelyn e Arthur estão abraçados durante um passeio de barco. Ela tem cabelos negros na altura do ombro, bastante cacheados. Ele tem cabelo e barba pretos e usa óculos de armação preta. A imagem enquadra o rosto de ambos, que sorriem, felizes
Evelyn e Arthur sempre se ajudam quando a situação aperta para um dos lados: é ela quem cuida do cartão do namorado | Arquivo pessoal

Como casais lidam com as finanças e os gastos: da conta conjunta ao anticoncepcional

Embora não seja lá uma conversa fácil, principalmente no início, falar sobre dinheiro pode ser fundamental para evitar conflitos no relacionamento e problemas com o saldo do banco

Matéria anterior Próxima matéria

Quem paga o que nas contas de casa? Há divisão de todas as despesas, incluindo o valor gasto com anticoncepcional? Quem contribui mais no cofrinho para realizar o sonho do casamento? O que é melhor: contas separadas ou conjuntas? Falar com o seu parceiro sobre dinheiro não deve ser tabu. Abrir o jogo em relação às finanças — individuais ou a dois — pode tornar o relacionamento mais transparente e saudável. É o que afirma o professor de Finanças Cesar Caselani, da Escola de Administração de Empresas de São Paulo (EAESP), mantida pela Fundação Getúlio Vargas (FGV).

De acordo com o especialista, num cenário em que o Brasil toma fôlego após forte recessão econômica, iniciada em 2014, a população acentuou o debate sobre o tema. Mas há quem ainda resista. “É muito difícil falar sobre dinheiro”, diz o professor. “Quando chega a hora de apontar uma restrição de consumo, de cortar gastos, se a outra pessoa não tiver preparada, acaba em briga.”

Caselani sabe que não é muito simples dialogar sobre gestão financeira no início do relacionamento. “É  delicado, por ser o momento da paixão, mas logo a racionalidade começa a ganhar espaço. E quanto mais rápido você deixar as coisas claras, melhor é a relação do casal”, orienta. “Já vi casais se separando por causa disso.” De acordo com ele, evitar o tema não ajuda. “As pessoas querem aproveitar a vida, só que é preciso ter dinheiro para adotar o padrão de consumo que se deseja.”

Psicoterapeuta de casais, Caroline Vieira afirma que, de fato, falar sobre finanças pode favorecer a relação. Ela alerta, porém, que só não se deve tornar o cotidiano engessado, que é o risco principalmente quando se faz questão de dividir exatamente todas as contas e as compras. “Não estamos falando de dependência financeira e sim de ficar uma coisa mecânica, na ponta do lápis”, diz Caroline. “Vejo algumas vezes uma separação exacerbada, o que é seu é seu e o que é meu, é meu. Vira uma questão de competição.”

Em alguns casos, segundo ela, a situação se agrava. “Atendo casais que trazem para o consultório um questionamento sobre ter filhos. Isso porque a mulher não quer deixar de trabalhar ou trabalhar menos e, consequentemente, ter de parar de contribuir com as contas.”

Como o tema está sendo discutido por casais jovens? O Por Minha Conta conversou com namorados (ou namoridos), que contam abaixo um pouco de seu planejamento financeiro. Nós também montamos um quiz, disponível no fim deste texto, para que você e seu par descubram se estão no caminho certo.

“Temos aprendido a ceder um pouco”

Arquivo pessoalSilvelena e Quezia estão abraçadas. Elas sorriem para a câmera. Silvelena tem pele negra e cabelo afro cortado curta. Usa óculos. Quezia tem pele clara e cabelo preto liso
Silvelena e Quezia: data do boleto define quem paga despesa

A designer Silvelena Gomes, de 24 anos, e a estudante de Direito Quezia Gomes, de 23, decidiram morar juntas há pouco mais de dois anos. Inicialmente, optaram por dividir o aluguel da casa com outras duas pessoas, para não sentirem tanto o peso dos gastos. Mas não demorou para decidirem ter uma casa só para elas, mesmo com pouca folga no orçamento.

Para não se atrapalharem, as duas organizaram as contas de acordo com a data do pagamento de cada uma – Quezia recebe por quinzena e Silvelena, por mês. O salário de Silvelena é um pouco maior, mas as despesas são divididas de forma igualitária. “É assim para a manutenção da casa”, diz a designer.

Quezia conta que, com a organização, sabem certinho quanto podem gastar e investir. “A gente faz um planejamento financeiro, mínimo, entre receitas, gastos fixos e variáveis”, afirma a estudante de Direito. “O que sobra do orçamento, a gente junta para fazer uma viagem ou coloca num fundo financeiro. O dinheiro é junto, né?”

O próximo sonho do casal, que namora há cerca de três anos, é comprar um carro até o fim do ano. “Temos aprendido a ceder um pouco. Sempre colocamos metas, pensamos no que queremos comprar”, conta Quezia. “Isso nos faz gastar um pouco menos ou um pouco mais, dependendo da meta de cada mês.”

“A gente dividia até (o valor) do anticoncepcional”

Arquivo pessoal
Evelyn e Arthur: casal resolveu adotar planilha de gastos

Desde o início do relacionamento, o publicitário Arthur Souza, de 24, sempre demonstrou abertura para falar sobre dinheiro. Quem confirma é Evelyn Barreto, da mesma idade, com quem ele namora há pouco mais de nove meses. “Geralmente, há um impasse no início, né?”, conta Evelyn. “Mas ele sempre falou quanto ganhava, o quanto ele pagava de aluguel, sua realidade financeira.”

Potiguar, Arthur se mudou há pouco mais de um ano para o Ceará, onde trabalha em uma agência de publicidade. “Foi um choque de realidade: sair da casa dos meus pais e me assumir financeiramente sozinho. Acabei me perdendo um pouco.”

Com os gastos fora de controle, os dois decidiram que Evelyn ficaria com o cartão de crédito de Arthur. “Tinha virado uma bola de neve”, justifica a namorada. “Ele acabava não tendo orçamento para tudo que ele quer fazer.”

A situação ficava mais complicada porque Arthur tem um filho de 3 anos, fruto de outro relacionamento. “Houve aumento de gastos com colégio, material escolar. Ele acabou se desorganizando”, lembra Evelyn. “Foi quando perguntei se ele queria minha ajuda.” O publicitário aceitou. “Ela entrou para me conscientizar quanto aos gastos.”

O casal também divide uma planilha no Excel para controlar as finanças. No arquivo, eles registram o que cada um desembolsa no mês atual e as projeções de gastos para os próximos meses.

A conversa aberta ajudou também quando a situação se inverteu e Evelyn ficou com pouca grana. “Ele disse que poderia pagar e a gente começou a cooperar”, conta.” É ser franco e dizer ‘não tenho dinheiro, mas não quero deixar de fazer isso’.” O bom senso é refletido na divisão de gastos que fazem. “A gente dividia até o (valor do) anticoncepcional, porque é o cuidado dos dois. E foi ele quem propôs.”

“Jogando na poupança para poder fazer o noivado”

Arquivo pessoalVinícius e Franciele estão sorrindo e parecem muito animados. Ambos tem pele negra e cabelo abro. Ele usa óculos. Ao fundo, nota-se que estão na varanda de uma casa branca.
Vinícius e Franciele: plano de construir patrimônio antes do ‘sim’

Apesar de muito jovens, Franciele Luz, de 19, e Vinícius Nascimento, de 21, já miram no futuro: juntam uma moedinha aqui e outra acolá para o casório. “É um projeto de longo prazo, porque a gente ainda pretende se formar, construir algum patrimônio antes de juntar nossos trapinhos”, diz o estudante de Produção Cultural da Universidade Federal da Bahia (UFBA). “No momento, estou tirando uma parte da bolsa do meu estágio e jogando na poupança para poder fazer o noivado.”

Para os dois, falar sobre dinheiro não deve interferir negativamente no relacionamento. “Vez ou outra surge um motivo, uma reclamação de falta de dinheiro, que o mês está meio difícil”, conta Franciele, que ainda não conseguiu um estágio e não tem renda garantida. “A gente é bem honesto um com o outro”, diz Vinícius. “Quando os dois podem pagar, os dois dividem. Quando só um pode pagar, a gente se acerta depois.”

Vinícius ressalta, ainda, que o ideal para o casal é sempre dividir. “Porque a grana não é muita para nenhum dos dois lados”, justifica. A estudante de Psicologia concorda. “Quando ele pode pagar e eu não, ele paga. E vice-versa.” No próximo mês, os dois têm uma viagem marcada. “Eu paguei a hospedagem e ela, o ônibus. Tentamos fazer de uma forma proporcional. Um vai quebrando o galho do outro”, garante o baiano.

“É como se tivéssemos um só salário, fôssemos uma só pessoa”

Arquivo pessoal
Leonardo e Henrique: com a casa está garantida, só falta carro

O porteiro de prédio comercial Leonardo Silva, de 36, e o atendente de loja Henrique Duarte, de 31, já nem se lembram como é ter contas individuais. Juntos há mais de 13 anos, os dois planejam e pagam todas as despesas de forma conjunta. “Tudo que compramos, que gastamos, pagamos juntos. Isso é desde sempre”, lembra Henrique. Leonardo concorda. “A gente nunca deixou o dinheiro falar mais alto”, diz o lojista. “Contas minhas são contas dele. É como se tivéssemos um só salário, fôssemos uma só pessoa.”

Desde o início da relação, relembra Henrique, os orçamentos nunca se separaram. Foi a forma que acharam para melhor aplicar as rendas individuais na construção dos objetivos do casal. “Até pra saber como estamos gastando nosso dinheiro, né?”.

Para Henrique, a união das finanças permitiu a conquista do primeiro grande sonho: comprar uma casa. “Estávamos guardando o dinheiro e, graças a Deus, deu certo”, comemora. Leonardo já revela o próximo plano conjunto. “Queremos conseguir nosso transporte próprio, o carro.”

Quer saber se você e seu par estão no caminho certo para ficar com as finanças em dia? Faça o nosso teste e descubra.