Calculadora da Previdência

Projeto a ser votado no Congresso prevê idade mínima mais alta e tempo de contribuição maior antes de se aposentar. Faça o seu cálculo e planeje o quanto você precisa guardar para ter uma aposentadoria mais tranquila. Os cálculos contemplam o Regime Geral do INSS
Apoio:

Qual a sua idade hoje?

Qual o seu sexo?

Leia com atenção

Na próxima tela, você deverá preencher os seus salários de contribuição e em que período recebeu cada um deles. Para se certificar, pegue sua carteira de trabalho ou acesse seu histórico completo no site Meu INSS, na opção Extrato CNIS.

Caso o rendimento tenha sido recebido antes de julho de 1994, você pode deixar o valor em "0,00" e colocar apenas o tempo de serviço. Valores que não estejam em reais (R$) não entram no cálculo da média de benefício. Para obter uma estimativa, a calculadora considera que seu salário mais recente será mantido a cada ano até a sua aposentadoria.

A calculadora fará a correção monetária dos salários e do teto de contribuição com base na tabela oficial. Quanto mais precisos forem os valores preenchidos, mais próximo o cálculo ficará do valor real.

Quais foram os seus salários de contribuição?

Preencha os salários do mais antigo para o mais recente. Se o valor não for em reais (R$), deixe o campo com o valor 0,00. Para incluir um salário diferente, clique em "adicionar salário". Para excluir uma linha, aperte o botão x
 

Com quantos anos você pretende se aposentar?

A proposta a ser votada no Congresso estipula a idade mínima de 65 anos para homens e 62 para mulheres, exceto na regra de transição. Conheça a nova proposta.

Se continuar trabalhando com o salário atual até os 65 anos, o valor de benefício pelo INSS na aposentadoria será de aproximadamente...

Pela regra vigente
R$
Pela nova proposta
R$

Entenda o cálculo

Este cálculo é apenas uma aproximação. Para saber o valor preciso do seu benefício, visite o site do INSS, no qual terá de preencher todas as contribuições mês a mês.

O cálculo da nova proposta toma como base o texto aprovado em Comissão Especial da Câmara no dia 3 de maio.

A correção monetária não pode ser aplicada sobre valores futuros, logo o valor final é uma estimativa baseada em índices atuais.

Além do valor a receber pelo INSS, que renda extra mensal você pretende ter ao se aposentar?

Você tem algum dinheiro guardado ou investido? Quanto?

Para ter a renda extra, você precisará poupar um valor mensal até os 65 anos. Confira a diferença de rendimento na poupança e em outras opções de renda fixa atreladas ao CDI:

Na Renda Fixa (CDI)
R$0,00
Total necessário:
Caderneta de Poupança
R$0,00
Total necessário:

Como é feito o cálculo

Para que o resultado se aproxime do poder de compra atual, é feito o desconto da taxa de inflação anual sobre os rendimentos. Se desejar verificar o valor sem desconto da inflação, basta alterar o campo correspondente para o valor de 0%.

Na configuração inicial, a calculadora estima uma rentabilidade real (acima da inflação) de 2,65% ao ano para a Carteira de Renda Fixa, descontado o Imposto de Renda de 15% sobre a rentabilidade (alíquota para investimentos acima de dois anos). Os custos de administração dos investimentos não foram considerados. Foi utilizada para o cálculo uma taxa Selic média de 9,0% ao ano e IPCA de 5,0% ao ano.

A calculadora simula retorno anual pré-fixado de 6,20% para a Caderneta de Poupança, mais estimativa de 0,50% ao ano da Taxa Referencial (TR), para períodos em que a taxa Selic esteja acima de 8,50% ao ano.

Entenda os principais tipos de investimento

Poupança
Tesouro Direto
Títulos privados
Previdência privada
Fundos Multimercado
Ações

Poupança. “Queridinha” dos brasileiros, a poupança, apesar de sua facilidade e isenção de Imposto de Renda, está entre as piores opções de investimento para a aposentadoria. Com a rentabilidade atual, de 0,5% mais a Taxa Referencial, a caderneta mal bate inflação, o que significa que o investidor pode perder poder de compra no futuro. Mesmo com a tributação, há opções muito mais atrativas e rentáveis.

Leia mais sobre Poupança

Tesouro Direto. Os títulos públicos são muito vantajosos pelo baixo custo, baixo risco e a possibilidade de se fazer aportes a partir de R$ 30. Para o longo prazo, o mais indicado é o Tesouro IPCA, por proteger o dinheiro do investidor da inflação e garantir ganho real independentemente do cenário econômico das próximas décadas. Ele oferece uma rentabilidade prefixada (atualmente na faixa dos 5,5%) mais a variação do IPCA.

Leia mais sobre Tesouro Direto

Títulos privados. Os títulos privados são papéis emitidos por bancos ou empresas. Alguns exemplos: CDB (Certificado de Depósito Bancário), LCI (Letra de Crédito Imobiliário), LCA (Letra de Crédito do Agronegócio) e debêntures. A vantagem é que eles podem oferecer rentabilidades altas, acima da taxa básica de juros. Só é preciso ponderar que, além de exigirem um aporte de valor mais alto, compra-se o título inteiro, não sendo possível o depósito mensal de quantias menores como no Tesouro Direto.

Previdência privada. A previdência privada engloba fundos e planos voltados para quem quer investir com foco na aposentadoria. Os planos conhecidos são o Plano Gerador de Benefício Livre (PGBL), Vida Gerador de Benefício Livre (VGBL). No geral, as características do VGBL são muito parecidas com as do PGBL. A diferença básica entre os dois está na tributação. No VGBL, o Imposto de Renda é cobrado somente sobre o rendimento (ganho de capital) relativo à aplicação. Já no PGBL, haverá incidência de Imposto de Renda sobre todo o valor do montante resgatado. Procure taxas de administração de até 1% e fuja das taxas de carregamento. O PGBL é indicado para quem faz a declaração de imposto de renda no modo completo, pois é possível reduzir a renda tributável em até 12%, o que diminui o IR a pagar.

Leia mais sobre Previdência Privada

Fundos Multimercado. Os fundos multimercado são uma boa opção para quem não quer mergulhar de cabeça em ações ou outros ativos mais arriscados que exigem mais conhecimento, como a Bolsa. Essa aplicação é híbrida e mistura em um mesmo pacote renda fixa, ações ou moedas. A grande dica para quem quer este produto é buscar conhecer as diversas características dos diferentes tipos de fundo, assim como os custos e a reputação de quem gerencia. Procure taxas perto de 1%.

Leia mais sobre Fundos Multimercado

Ações. As ações representam o valor da fração em que é dividido o capital social de uma empresa. O princípio básico para o investidor é entender que quem compra uma ação vai ganhar ou perder conforme o desempenho futuro da companhia. Logo, está comprando “expectativas”, e não a performance do passado. A máxima quando o assunto é investimento em ações é: "Comprar na baixa e vender na alta". Além disso, é importante diversificar a carteira com ações de diferentes setores, para minimizar os riscos.

Leia mais sobre Ações

Descubra o seu perfil de investidor

COPYRIGHT © 1995 – 2017
ANNA CAROLINA PAPP, HUGO PASSARELLI, JÉSSICA ALVES, MALENA OLIVEIRA, NATHÁLIA LARGHI, RAQUEL BRANDÃO E RICARDO ROSSETTO.
DESIGN E PROGRAMAÇÃO: CAROLINE ROZENDO. DIREÇÃO DE ARTE: FABIO SALES INFOGRAFIA: REGINA ELISABETH SILVA